• aanovo.png
  • BANNER.png
  • bannereich.png
  • comercio3.png
  • fabianetopo.png
  • gersoncpers.png
  • hermes2.png
  • jadlg.png
  • ponto10d.png
  • seeb.png
  • simpro.png
  • sind.png
  • sindis.png

A verdade à lume (por Adalberto Paulo Klock)

Publicado em: 30/07/2020

 

 

 

 

 

 

 

Há fatos ocultos e mentiras eternas,

Há verdades sabidas

E outras que precisamos saber.

 

Os fatos ocultos intrigam,

São as fofocas da roda,

Do chimarrão, das parlas

E das mesas de bar.

As fofocas todos querem saber.

 

Yuval Harari diz,

A fofoca é base

E fundação da sociedade.

Para caçar ou colher,

Para saber ou aprender,

Fofocar foi fundamental,

Começando cada um

O outro descrever.

E assim saber dizer

Quão longe está

A caça ou a planta,

No bosque, na montanha

Ou na curva do rio.

 

Há mentiras eternas!

Elas Constrangem

E fazem o mundo se perder.

Pois a mentira tem lado,

E isso precisamos compreender.

Ela pode ser boa ou má,

Depende do que ela quer

Fazer ou esconder.

Há mentiras que ocultam o mal,

Como ao doente terminal dizer:

“Não te preocupas, vai passar”.

 

Mas há mentiras que fazem o mal,

Por mais que se tente dizer

Que a verdade é ruim

E tudo pode pôr a perder.

Dizem que sem fé

Não se pode viver,

Mas, em nosso passado

Tantos deuses existiram

Que se torna difícil compreender

Toda essa gente que existiu

E nesse deus atual não creu.

O que será que lhes aconteceu?

Em que céu ou inferno vão viver?

Se aqueles deuses não existiam

E bilhões neles creram

No inferno, então, irão perecer.

Que maldade a esses fizeram,

Ao nasceram antes de deus

Lhes ensinar a nele crer,

Já que outros deuses exigiam

Só neles crer.

 

Parece que tudo depende

Da época em que se viver.

 

Se nascesse na Mesopotâmia

O deus Marduque, Ishtar ou Enlil

Você poderia ter e em todos crer.

Se no antigo Egito, então Rá

Ou Osíris seria seu deus.

Se na Grécia,

Que orgia de deuses

Tu poderias ter,

Formosas, lindas e belas

Gaia, Hera ou Afrodite,

Por elas, belas, se podia morrer.

E os Romanos, por dois mil anos

A deusa persa Mitra, Netuno ou Zeus

E tantos outros que se podia escolher

E por milénios adoraram

Sem o atual deus se ofender.

Se viking tivesse que nascer,

Deuses bons ou sanguinários

Poderia escolher,

Desde Odin a Modi, às dezenas,

Todos iriam te proteger ou fenecer.

 

Se no oriente hoje fosse nascer,

Vários deuses poderia ter,

Em toda a Ásia em Buda se crê,

Mas, poderia hinduísta também ser,

E milhões de deuses iria crer,

Com uma estrutura sagrada

Feita de castas

Onde não se pode ascender.

Você ainda poderia ser

Xintoísta, Taoísta ou Confucionista.

E no Oriente Médio Maometista.

 

Mas nascemos no Ocidente

Em época cristã, e há um deus.

E por ele se luta, briga, ora e se diz

Ser o verdadeiro deus.

 

No futuro vai se saber

Será que outros deuses virão?

Ou deuses não mais existirão?

E tudo isso só vai depender

Da humanidade amadurecer.

 

Texto de Adalberto Paulo Klock. Servidor Público. Eles escreve semanalmente para a Revista Afinal. Acompanhe!