• bannereich.png
  • comercio3.png
  • fabianetopo.png
  • gersoncpers.png
  • hermes2.png
  • jadlg.png
  • limberg2.png
  • ponto10d.png
  • seeb.png
  • simpro.png
  • sind.png
  • sindis.png

Queimadas ameaçam relações comerciais com Europa

Publicado em: 24/08/2019

 Foco de incêndio na Floresta Amazônia em São Félix do Xingu, no Pará, registrado pelo Greenpeace

Imagem: Daniel Beltrá/Greenpeace

 

 

do Correio do Povo

 

Presidente do Conselho Europeu acha difícil ratificar acordo com Mercosul com incêndios na Amazônia

Donald Tusk deu a declaração ao chegar em Biarritz, no sudoeste da França, para uma cúpula do G7

 

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse neste sábado que é difícil imaginar que o bloco europeu ratifique um pacto de livre comércio com o Mercosul enquanto o Brasil não detém os incêndios que assolam a Amazônia. "É claro que apoiamos o acordo entre a UE e o Mercosul (...) mas é difícil imaginar um processo de ratificação enquanto o governo brasileiro permite a destruição" da Amazônia, declarou Tusk ao chegar em Biarritz, no sudoeste da França, para uma cúpula do G7.

Nessa sexta, a França se declarou contrária ao acordo UE-Mercosul por causa das queimadas no Brasil. "Dada a atitude do Brasil nas últimas semanas, o presidente da República (Emmanuel Macron) só pode constatar que o presidente Bolsonaro mentiu para ele na cúpula (do G20) de Osaka", declarou o palácio do Eliseu, estimando que "o presidente Bolsonaro decidiu não respeitar seus compromissos climáticos nem se comprometer com a biodiversidade". "Nestas circunstâncias, a França se opõe ao acordo do Mercosul", acrescentou a presidência francesa. 

O mesmo caminho foi adotado pela Irlanda. O primeiro-ministro Leo Varadkar ameaçou votar contra o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não respeitar seus "compromissos ambientais".

Ainda ontem, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, admitiu temor com possíveis embargos ao agronegócio brasileiro em decorrência da crise ambiental com as queimadas na Amazônia. "Acabei de saber das notícias e nos preocupa", afirmou, após evento em Brasília. Nesta sexta, o governo da Finlândia, que acumula a presidência rotativa da União Europeia (UE), pediu ao bloco que avalie a possibilidade de vetar a compra carne bovina brasileira. 

  • bancarios-sindicato20160328.png
  • cprgsbannerl.png
  • d90d1784-7bef-4709-89cc-43a0c1bbea83.jpg
  • e9aa0085-5706-4b39-b64a-277c478a7fcb.jpg
  • servidores-municipais-logo250-201902.jpg
  • sindisaude.png
  • SitioMargarida200x200-20171116.jpg
  • 16f338d8-07ee-4170-b637-5f81d690af77.jpg
  • 69ec07e2-3820-4b13-becd-833c1be37021.jpg
  • baixo.png
  • bannersimpro2.png
  • CafePequeno20151016-164x164.jpg
  • jadlog20170906.gif
  • limberger-advocacia-250-20171108.jpg