Vaza Jato vai fortalecer o combate à corrupção no país, afirma Glenn

Publicado em: 03/09/2019

Reprodução
 
 
“Autenticidade não é mais uma dúvida. A questão agora é como fortalecer o combate à corrupção, o que vamos fazer sobre isso no futuro”, defendeu o jornalista do Intercept
 
 
“O jornalismo mais importante muitas vezes vem de fonte que cometeu crime para obter a informação”, disse Glenn, mas ressalvou que o interesse público impõe ao jornalista a obrigação de publicar
 

São Paulo – O principal legado da Vaza Jato será fortalecer o combate à corrupção no Brasil, defendeu na noite desta segunda-feira (2) o jornalista Glenn Greenwald, em entrevista no programa Roda Viva, da TV Cultura. Responsável pela série de reportagens que mostram a atuação em conluio entre o ex-juiz Sergio Moro e os procuradores da Lava Jato para dirigir de forma ilegal as investigações, Glenn não se deixou intimidar pelos jornalistas, que insistiram durante todo o programa sobre se seria ético usar dados que foram obtidos de forma ilegal.

“Autenticidade (das informações da Vaza Jato) não é mais uma dúvida, esse jogo cínico do Moro e Dallagnol acabou. A questão agora é como fortalecer o combate à corrupção, o que vamos fazer sobre isso no futuro”, defendeu.

Indagado também se o material da Vaza Jato não beneficiaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o jornalista respondeu que obviamente existe muito material ligado ao ex-presidente, “porque ele era um dos personagens mais importantes da Lava Jato para construir a fama de Moro e dos procuradores; e também publicamos materiais que não têm nada a ver com Lula”, disse ainda, lembrando da reportagem que mostrou a fixação dos procuradores com o ódioque emergiu na população desde a crise que se instalou no país.

A questão em torno das fontes dos documentos da vaza jato esteve presente desde o início da entrevista quando apresentadora Daniela Lima colocou o assunto. Glenn disse que o conteúdo é mais importante do que a questão da fonte.

A entrevista foi considerada uma aula sobre liberdade de expressão e teve grande repercussão nas redes sociais, com destaque nos trending topics, do Twitter, onde ocupava o primeiro lugar por volta de meia-noite.

Glenn defendeu que o trabalho jornalístico que tem sido feito pela vaza jato tem sido “extraordinário” sobretudo por conta compartilhamento com os veículos e os jornalistas, chegando inclusive à revista Veja, que construiu a imagem de Sergio Moro como um herói. Glen lembrou que a revista reconheceu em editorial que o que o ministro Moro fez enquanto o juiz era corrupto e ilegal.

Na entrevista Glenn também falou sobre os métodos para confirmar autenticidade de informações, as consultas a peritos e especialistas em tecnologia que proporcionam a confiança para publicação desses materiais.

“O jornalismo mais importante muitas vezes vem de fonte que cometeu crime para obter a informação”, disse Glenn, mas ressalvou que o interesse público impõe ao jornalista a obrigação de publicar.

 

  • bancarios-sindicato20160328.png
  • cprgsbannerl.png
  • d90d1784-7bef-4709-89cc-43a0c1bbea83.jpg
  • e9aa0085-5706-4b39-b64a-277c478a7fcb.jpg
  • servidores-municipais-logo250-201902.jpg
  • sindisaude.png
  • SitioMargarida200x200-20171116.jpg
  • 16f338d8-07ee-4170-b637-5f81d690af77.jpg
  • 69ec07e2-3820-4b13-becd-833c1be37021.jpg
  • bannerlhermes.png
  • bannersimpro2.png
  • CafePequeno20151016-164x164.jpg
  • jadlog20170906.gif
  • limberger-advocacia-250-20171108.jpg