• bannereich.png
  • comercio3.png
  • fabianetopo.png
  • gersoncpers.png
  • hermes2.png
  • jadlg.png
  • limberg2.png
  • ponto10d.png
  • seeb.png
  • simpro.png
  • sind.png
  • sindis.png

Maioria defende mais emprego e educação contra violência, diz pesquisa

Publicado em: 30/12/2019

 
 
Segundo Datafolha, 57% consideram que investimentos nas áreas sociais serão mais eficazes para segurança pública do que em polícia
 

O governo brasileiro não está no caminho certo nem mesmo na área em que tem o discurso mais contundente: a da segurança pública. É o que aponta levantamento feito pelo Datafolha no mês de dezembro.

Segundo a pesquisa, ampla maioria dos brasileiros discorda do governo Bolsonaro e de seu ministro da Justiça e Segurança Pública, o ex-juiz Sergio Moro, que prioriza ideias de endurecimento penal e policial como meio de enfrentar a violência. Para 57%, investimentos sociais, como em políticas de educação e cultura, e medidas que estimulem a criação de empregos darão mais segurança à população do que ações meramente punitivas e repressivas.

Segundo a pesquisa, 41% acreditam que priorizar investimentos em polícias seria mais eficaz. Até mesmo ntre aqueles entrevistados que aprovam o atual governo o entendimento contradiz as atuais práticas: 51% acreditam que se deve investir mais nas áreas sociais, e 47% acreditam que se deve investir mais em polícias.

Esse índice é alto mesmo entre quem apoia o presidente Jair Bolsonaro, que se elegeu com um discurso de endurecimento da segurança pública e investiu em propaganda para favorecer o pacote anticrime do Moro.

Entre os que avaliam o governo como ótimo ou bom, 51% acreditam que se deve investir mais nas áreas sociais, e 47% acreditam que se deve investir mais em polícias.

O resultado do levantamento revela que a opinião pública nacional acaba “driblando”, os principais meios de comunicação do país. A violência como espetáculo é uma das principais fontes de audiência do noticiário televisivo.

Ao mesmo tempo, a mídia brasileira, que já havia apoiado em peso a reforma trabalhista – que não criou empregos decentes e levou ao aumento da informalidade e do trabalho precário – passou o ano defendendo amplamente a gestão econômica de Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, que fracassa em propostas de retomada do crescimento econômico.

“Mas é uma constatação preciosa. A despeito de retóricas ideológicas e muito caricatas, que promovem identificações superficiais, há sempre espaço para argumentação, reflexão. Quando as questões sociais são tão graves e dramáticas, como são no Brasil, com desemprego tão grande, há evidência suficiente da origem dos problemas. As pessoas são capazes de tirar suas conclusões, entendendo como a crise social afeta comportamentos”, diz o antropólogo Luiz Eduardo Soares, ex-secretário Nacional de Segurança Pública, ouvido pela Folha de S.PauloLeia reportagem completa.

 

  • bancarios-sindicato20160328.png
  • cprgsbannerl.png
  • d90d1784-7bef-4709-89cc-43a0c1bbea83.jpg
  • e9aa0085-5706-4b39-b64a-277c478a7fcb.jpg
  • servidores-municipais-logo250-201902.jpg
  • sindisaude.png
  • SitioMargarida200x200-20171116.jpg
  • 16f338d8-07ee-4170-b637-5f81d690af77.jpg
  • 69ec07e2-3820-4b13-becd-833c1be37021.jpg
  • baixo.png
  • bannersimpro2.png
  • CafePequeno20151016-164x164.jpg
  • jadlog20170906.gif
  • limberger-advocacia-250-20171108.jpg