• aanovo.png
  • BANNER.png
  • bannereich.png
  • comercio3.png
  • fabianetopo.png
  • gersoncpers.png
  • hermes2.png
  • jadlg.png
  • ponto10d.png
  • seeb.png
  • simpro.png
  • sind.png
  • sindis.png

Reitor da UFFS na mira do STF devido a postagens de fake news

Publicado em: 23/06/2020

do DC

Foto: Angélica Lüersen, Especial, Diário Catarinense

 

 

 

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, encaminhou ao ministro Alexandre de Moraes um pedido de investigação contra o reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Marcelo Recktenvald, de Chapecó, no inquérito das fake news.

A petição foi protocolada pela Seção Sindical dos Docentes da UFFS (Sinduffs). Segundo o pedido, o reitor teria cometido crimes contra a honra de ministros do STF, e também contra o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Reitor da UFFS em Chapecó defende permanência: "Pode o inferno soprar que não tiro o pé"

Uma das manifestações do reitor Marcelo Recktenvald que motivou a petição foi uma postagem no Twitter em que ele sugeriu o fechamento do STF. O reitor escreveu que “Um cabo e um soldado resolveriam essa questão. Tenho a impressão de que nossas instituições estão perdidas”.

A publicação de Marcelo Recktenvald foi feita em 27 de maio, em resposta a uma postagem do presidente Jair Bolsonaro. O presidente fazia críticas a uma ação da Polícia Federal, determinada pelo STF e realizada naquele dia, que teve como alvos suspeitos de financiarem e apoiarem uma suposta rede de fake news contra autoridades. Um dos alvos foi empresário catarinense Luciano Hang.

A frase postada pelo reitor é uma referência direta à declaração feita pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, em 2018. Ele afirmou na época que “Se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo”. 

Em resposta enviada ao Diário Catarinense no começo da tarde desta terça-feira (23), o reitor Marcelo Recktenvald disse que “está com a consciência limpa”, que “jamais ofendeu as instâncias democráticas”, e afirmou que a “petição incriminatória” tem como objetivo uma “perseguição” contra ele.

O reitor também negou que tenha sugerido o fechamento do STF com a frase “Um cabo e um soldado resolveriam essa questão.” 

- Sempre defendi as instituições democráticas e nunca fui favorável ao fechamento do STF. Estou com a consciência limpa pois jamais falei em “intervenção militar” ou em restringir o papel do STF - declarou.

Nomeação polêmica

Marcelo Recktenvald foi nomeado reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) em setembro de 2019 pelo então ministro da Educação Abraham Weintraub. A nomeação gerou críticas da comunidade acadêmica porque ele havia sido o terceiro colocado na eleição para o cargo.

Um movimento ocupou a reitoria por três semanas, impedindo a entrada do novo reitor. Só houve a desocupação após intervenção da Justiça e o Conselho Universitário convocar uma sessão especial de destituição.

O pedido de destituição de Marcelo Recktenvald foi apreciado pelo Conselho Universitário, e aprovado por 35 conselheiros, com 12 votos contrários e duas abstenções. O reitor, no entanto, não respeitou a decisão, alegando, entre outras coisas, que não houve o quórum necessário. O caso foi levado à Justiça Federal, que analisa o mérito das alegações do reitor. Enquanto isso, ele permanece no cargo.

  • bancarios-sindicato20160328.png
  • cprgsbannerl.png
  • d90d1784-7bef-4709-89cc-43a0c1bbea83.jpg
  • e9aa0085-5706-4b39-b64a-277c478a7fcb.jpg
  • servidores-municipais-logo250-201902.jpg
  • sindisaude.png
  • SitioMargarida200x200-20171116.jpg
  • 16f338d8-07ee-4170-b637-5f81d690af77.jpg
  • 69ec07e2-3820-4b13-becd-833c1be37021.jpg
  • baixo.png
  • BANNERL.png
  • bannersimpro2.png
  • CafePequeno20151016-164x164.jpg
  • jadlog20170906.gif