Coluna do Orlando #15

Publicado em: 10/10/2019

por Orlando Desconsi (*)

Hortigranjeiros: De 09 a 13 de outubro, em Santa Rosa, no Parque de Exposições Alfredo Leandro Carlson, acontece a 33ª edição do Hortigranjeiros. Participe, é um encontro que se mantém sem a cobrança de ingressos, um dos maiores eventos de Santa Rosa para toda a nossa macrorregião. É um evento que caiu nas graças do público.  Sucesso aos organizadores e a todos os participantes. Vida longa ao evento.

Oktoberfest no Bairro Central também acontece de 10 a 13 de outubro. Evento muito bem organizado que se firmou pelo trabalho da comunidade do Bairro Central. Participe.

WhatsApp admite envio maciço ilegal de mensagens nas eleições do ano passado contra o candidato Fernando Haddad (PT). Esta notícia saiu no Zero Hora do dia 09.10.19, publicada pela jornalista Patrícia Campos Mello. Segundo ela, o WhatsApp admitiu, pela primeira vez, que a eleição brasileira teve uso de envios maciços de mensagens, com sistemas automatizados contratados por empresas. Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios maciços de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas – afirmou Bem Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, em palestra no Festival Gabo, na Colômbia. Em reportagem de 2018, a Folha de São Paulo apontou a contratação de empresas de marketing que faziam envios maciços de materiais políticos. Uma delas noticiou que empresários apoiadores do então candidato Jair Bolsonaro (PSL) bancaram o disparo das mensagens em massa contra Fernando Haddad (PT). Apesar dessas evidências, a campanha de Bolsonaro continua negando. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) proíbe o uso de ferramentas de automatização. Além disso, a propaganda paga por empresários não teria sido declarada à Justiça Eleitoral, o que configura caixa 2. Supple reconheceu a influência do aplicativo em processos eleitorais e que já esperava que as eleições de 2018 fossem palco de campanhas de difamação. Com isso, cadê o TSE para anular esta eleição fraudada? Porque não houve investigação das denúncias da Folha?  Cadê os combatentes da corrupção? Quem apoiou Bolsonaro e mantém seu apoio não tem moral para falar contra a corrupção, pois o seu filho Flávio Bolsonaro entrou no STF para não ser investigado. O PSL com denúncias de integrantes da sigla apontando caixa 2. Agora a confirmação pelo próprio aplicativo que foi pago por empresários para enviar mensagens robotizadas contra seu adversário político. Esta eleição deve ser anulada e os envolvidos nas fraudes punidos imediatamente. O resultado teria sido outro sem as fraudes. A jaca caiu na casa dos moralistas de plantão.

O Governo Eduardo Leite (PSDB) através da 17ª Coordenadoria de Educação vem gerando grande apreensão na comunidade escolar, com municipalização de escolas, fechamento de escolas, “remanejamento de alunos”, fechamento de turmas, encerramento de turmas de ensino médio. Estão criando uma grande confusão com as comunidades escolares. Na prática estão aplicando o estado mínimo. Quem precisa da escola pública é o filho(a) trabalhador(a) e, para os governos de direita, quanto mais próximos estiverem da “escravidão” melhor. Não bastasse isso, mais um pacotaço contra os funcionários públicos e, em especial, aos professores que já estão há 5 anos sem reajuste, recebendo parcelado e atrasado. Quem entrou na onda de ataques à esquerda começa entender porque foi criado este cenário. Tudo para prejudicar o serviço público, iniciando pelo ataque aos servidores.

(*) Orlando Desconsi é graduado nas faculdades de Direito e Educação Física. Foi prefeito de Santa Rosa e deputado federal. Atualmente é assessor do deputado estadual Jeferson Fernandes (PT).