• aanovo.png
  • BANNER.png
  • bannereich.png
  • comercio3.png
  • fabianetopo.png
  • gersoncpers.png
  • hermes2.png
  • jadlg.png
  • ponto10d.png
  • seeb.png
  • simpro.png
  • sind.png
  • sindis.png

Carta Aberta à Comunidade

Publicado em: 07/04/2021

 

       O CPERS-Sindicato sempre procurou dialogar com a Comunidade em geral, especialmente, com as famílias dos estudantes das escolas públicas estaduais. Desde o início da Pandemia, o CPERS Sindicato busca dialogar com o Governo Leite, não obtendo êxito. Daí a necessidade de buscarmos alternativas para a defesa da vida. E neste momento o CPERS-Sindicato faz o contraponto, para esclarecer e informar a partir de crítica do Prefeito Municipal de Santa Rosa na imprensa local.

       A ação a que se refere foi impetrada por oito (08) entidades, considerando a dramática situação da Pandemia.  Temos recordes de mortes todos os dias. Segundo o The New York Times, o Rio Grande do Sul é o epicentro mundial da Pandemia, neste momento. Autoridades sanitárias e pesquisadores afirmam que a vacina e o distanciamento social podem nos tirar desta situação terrível. Tanto que a partir da bandeira preta, começamos a notar uma pequena redução do número de infectados. Obtivemos uma liminar favorável na ação. O Estado recorreu e a Justiça reafirmou o pleito das entidades, pela razoabilidade dos argumentos, baseados na ciência, na Organização Mundial da Saúde e nos exemplos de vários países.  Agora o Estado recorre ao Supremo.   

        Durante o ano de 2020 as escolas públicas do Rio Grande do Sul funcionaram de forma híbrida, ou seja, alternando aulas presenciais e virtuais. E todos testemunharam que os educadores cumpriram integralmente as atividades escolares com extrema dificuldade na maioria absoluta das escolas estaduais. O CPERS-Sindicato obteve dados levantados na rede estadual sobre algumas situações: EPIs adquiridos demoraram até três meses a chegar às escolas, nenhum programa de testagem ou de monitoramento de casos foi implementado e sequer reparos básicos, como a adequação de janelas emperradas, instalações hidro sanitárias precárias e insuficientes. A precariedade de material pedagógico e de prédios perdura em muitas escolas.  Precisa ficar claro: estamos trabalhando! E muito! Em nossas casas, com a nossa internet e equipamentos (apenas os professores do Ensino Médio receberam os Chromebook's). Nossos alunos não estão abandonados e não temos preguiça de trabalhar. Muitos estão adoecendo pelas condições de trabalho, a carga redobrada e falta de remuneração adequada e a instabilidade em razão da Pandemia.

            A aula a distância é o melhor? Com certeza, não.  Mas é o melhor que podemos fazer neste momento.  Queremos muito voltar às aulas presenciais.  Com a devida segurança sanitária.  Estamos sentindo falta do sorriso dos nossos alunos, dos olhos brilhando e da convivência.

            O Sr. Prefeito afirma que as escolas Municipais e Privadas têm todas as condições de receberem os alunos. Que bom! Nem todas as Estaduais têm. Só para lembrar que, se, os Municípios possuem infraestrutura e recursos, é fruto da luta do CPERS e da CNTE pela criação do FUNDEB, e no ano passado pela manutenção e ampliação de recursos do FUNDEB, favorecendo a todos os municípios. Luta dos trabalhadores em educação.

        O CPERS-Sindicato esclarece que todas as decisões seguiram e seguem sempre as diversas esferas da categoria, ou seja, o chão da escola, os conselhos e assembleias regionais, culminando ao nível estadual, mesmo durante a pandemia, apesar das limitações. Somos um dos maiores e mais respeitados sindicatos, que nasceu na ditadura, cresceu e venceu 74 anos de lutas sofridas e conquistas decisivas em benefício da educação pública do Rio Grande do Sul. O CPERS-Sindicato sempre foi de muita inspiração para muitos trabalhadores e instituições. Igualmente, na atual conjuntura mundial e nacional, continua sendo alvo de perseguição por parte de inimigos da educação. Aliás, neste momento a prioridade do sistema neoliberal é destruir qualquer organização dos trabalhadores.

        O CPERS-Sindicato entende que muitos governantes estão sendo pressionados por interesses corporativos. Sugere a eles que, antes de criticar os educadores tenham a coragem e coerência em exigir da autoridade superior um comportamento condigno ao cargo. Certamente o país não seria o epicentro mundial da pandemia se em tempo tivesse responsabilidade dos nossos eleitos em dialogar, negociar, mobilizar-se por medidas urgentes e corretas de prevenção, investimento financeiro e busca imediata de vacinas. 

         O CPERS comunga da urgência de defender a vida. Somos o sindicato dos trabalhadores em educação do estado. Com clareza e tranquilidade estamos desempenhando nosso papel.  Os prefeitos, os empresários possuem suas entidades representativas (FAMURS, FECOMÉRCIO e outros).  Os trabalhadores têm o sindicato.  

         Portanto, conclamamos a classe política (em todos os níveis) para que faça a sua parte: somar esforços para conter a Pandemia (Vacina já!), programas de renda básica emergencial (ninguém pode passar fome) e apoio financeiro às micro e pequenas empresas.  A segurança sanitária é o que permitirá que os cidadãos refaçam suas vidas, inclusive a econômica. A responsabilidade pela disponibilização da Vacina é dos governos: Federal, Estadual e Municipal.          

          O CPERS sindicato, com seus 74 anos de luta, vai continuar cumprindo seu papel de defender a vida, a escola pública de qualidade para todos e os direitos e a dignidade dos trabalhadores em educação.

Para aprender, ensinar e educar, é preciso ter saúde.

#EscolasFechadasVidasPreservadas.

     

10º Núcleo do CPERS Sindicato – Abril, 2021.