• aanovo.png
  • BANNER.png
  • bannereich.png
  • comercio3.png
  • fabianetopo.png
  • gersoncpers.png
  • hermes2.png
  • jadlg.png
  • ponto10d.png
  • seeb.png
  • simpro.png
  • sind.png
  • sindis.png

Risco Brasil sobe quase 10% nos últimos 30 dias

Publicado em: 23/08/2021

por Marta Sfredo / GZH

Guedes atribui " impacto sobre as expectativas" à "antecipação das eleições", em referência a campanha para 2022

Indicador muito usado no mercado financeiro, o risco Brasil medido pela variação do Credit Default Swap (CDS) para cinco anos, uma espécie de seguro contra calote, subiu quase 10% nos últimos 30 dias.

Medido em pontos, esse termômetro subiu de 172,8 em 23 de julho, para 189,2 na última sexta-feira (20), ou seja, 9,46% Esse movimento reflete o aumento da desconfiança de investidores estrangeiros em relação ao Brasil.

É resultado do que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, chamou de "ruídos recentes", ou seja, o agravamento da tensão institucional provocado pelo presidente Jair Bolsonaro, cujo movimento mais recente é o pedido de impeachment do ministro  do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes , que estará na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a partir de agosto de 2022, portanto será o árbitro da corrida sucessória.  Da alta de 9,46%, 6,29% foram acumulados na semana anterior, quando o quadro nacional se agravou.

Em 12 meses, o CDS ainda apresenta queda de 15,04% em relação ao período anterior. Isso ocorre porque o recorde histórico do preço dos CDSs de cinco anos para o Brasil foi atingido em 19 de março do ano passado, quando atingiu 374,9  pontos. Na época, houve uma aceleração brutal, porque o mínimo de 91,8 havia sido atingido no mês anterior. Nesse caso, claramente, o motivo foi o início da pandemia de coronavírus.

Quando fala em CDS, a coluna sempre gosta de comprar Brasil e Argentina, nem que seja por "consolo". O nível do risco do país vizinho, neste momento, é de 1.030,95 pontos, ou seja, é cinco vezes maior. Claro, por lá existe risco real de calote, porque há falta de dólares até para as importações e existe uma dívida enorme com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e credores privados. 

Mas é curioso: na semana em que o Risco Brasil subiu 6,29%, o da Argentina caiu 7,46%. Nos últimos 30 dias, então, a diferença de comportamento é enorme: a queda por lá chegou a 84,6%. Isso evidencia que, embora a questão global tenha peso no agravamento da percepção sobre o Brasil, não afetou a imagem da Argentina.

Até o ministro da Economia, Paulo Guedes, admite a piora na percepção sobre o Brasil. Na manhã desta segunda-feira (23),  em participação virtual  no 41º Congresso Internacional da Propriedade Intelectual, afirmou:

— Estávamos realmente decolando, e agora há uma espécie de antecipação das eleições, que, evidentemente, tem impacto sobre as expectativas. Essa antecipação naturalmente prejudica. Causa muito barulho.