• aanovo.png
  • BANNER.png
  • bannereich.png
  • comercio3.png
  • fabianetopo.png
  • gersoncpers.png
  • hermes2.png
  • jadlg.png
  • ponto10d.png
  • seeb.png
  • simpro.png
  • sind.png
  • sindis.png

Novo naufrágio na costa da Líbia: “Pelo menos 40 pessoas morreram afogadas, muitas eram crianças”

Publicado em: 29/08/2019

foto ilustrativa

 

do Desacato

 

Pelo menos quarenta pessoas morreram afogadas na terça 27 de agosto à noite tentando deixar a Líbiapor mar. Por volta das três e meia da manhã, o Alarm Phone recebeu o sinal de um barco na costa da Líbia “com um máximo de 100 pessoas a bordo” que haviam deixado Al Khums cerca de três horas antes: “Estavam em grande desespero, choravam e gritavam, nos dizendo que as pessoas já estavam mortas. Tentamos obter sua posição do GPS, mas as pessoas estavam tão tomadas pelo pânico que não conseguiam informá-la. Como o barco ainda estava muito perto da costa da Líbia, não tivemos outra escolha a não ser informar as autoridades líbias e italianas. Acreditamos que ninguém saiu para procurá-los.”

A reportagem é de Marco Mensurati (a bordo do navio Mare Jonio) e Fabio Tonacci, publicada por La Repubblica, 27-08-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

“Não conseguimos mais falar com aquelas pessoas. Às 6 horas da manhã – continua o Alarm Phone – um parente nos ligou, dizendo que temia pelas pessoas a bordo. Ele estava com medo de que tivessem morrido. Não sabemos o que aconteceu a esse grupo de migrantes: ainda esperamos que todos estejam vivos, mas tememos o pior”.

 Infelizmente, o naufrágio e as mortes foram confirmados com um tweet do escritório líbio da Organização Internacional para as Migrações (OIM): “65 sobreviventes foram trazidos de volta para a costa e cinco corpos foram recuperados, entre eles muitas crianças”. “Conversamos com as autoridades líbias. Eles nos disseram que haviam verificado o naufrágio. Muitos haviam se afogado”, refere o Alarm Phone.

Enquanto isso, o ex-ministro do Interior, Matteo Salvini, assinava a proibição de entrada, trânsito e permanência em águas italianas para o navio Eleonore, com bandeira alemã. A providência já foi enviada aos Ministros da Defesa e Infraestrutura e Transporte. Ontem, o navio Eleonore, da ONG Lifeline, resgatou 101 pessoas a bordo de um bote de borracha que estava afundando na costa da Líbia.

O comandante do Eleonore é Carl Peter Reisch, o mesmo que há um ano ficou detido em Malta por meses, processado e em maio condenado a pagar uma multa de 10.000 euros por outro socorro contestado. Portanto, por enquanto é improvável a possibilidade de desembarcar em Malta para esse barco. No entanto, a Lifeline já pediu à Alemanha para indicar um porto seguro.

  • bancarios-sindicato20160328.png
  • cprgsbannerl.png
  • d90d1784-7bef-4709-89cc-43a0c1bbea83.jpg
  • e9aa0085-5706-4b39-b64a-277c478a7fcb.jpg
  • servidores-municipais-logo250-201902.jpg
  • sindisaude.png
  • SitioMargarida200x200-20171116.jpg
  • 16f338d8-07ee-4170-b637-5f81d690af77.jpg
  • 69ec07e2-3820-4b13-becd-833c1be37021.jpg
  • baixo.png
  • BANNERL.png
  • bannersimpro2.png
  • CafePequeno20151016-164x164.jpg
  • jadlog20170906.gif